Discourses On The First Decade Of Titus Livius : Tradução em Portugues e Letra - Niccolò Machiavelli

A Letra e a Tradução em Portugues de Discourses On The First Decade Of Titus Livius - Niccolò Machiavelli
Discourses On The First Decade Of Titus Livius : Tradução e Letra em Italian - Niccolò Machiavelli Italian
Discourses On The First Decade Of Titus Livius : Tradução e Letra em Ingles - Niccolò Machiavelli Ingles
Discourses On The First Decade Of Titus Livius : Tradução e Letra em Espanhol - Niccolò Machiavelli Espanhol
Discourses On The First Decade Of Titus Livius : Tradução e Letra em Frances - Niccolò Machiavelli Frances
Discourses On The First Decade Of Titus Livius : Tradução e Letra em Alemao - Niccolò Machiavelli Alemao
Discourses On The First Decade Of Titus Livius : Tradução e Letra em Portugues - Niccolò Machiavelli Portugues
Discourses On The First Decade Of Titus Livius : Tradução e Letra em Russo - Niccolò Machiavelli Russo
Discourses On The First Decade Of Titus Livius : Tradução e Letra em Holandês - Niccolò Machiavelli Holandês
Discourses On The First Decade Of Titus Livius : Tradução e Letra em Sueco - Niccolò Machiavelli Sueco
Discourses On The First Decade Of Titus Livius : Tradução e Letra em Norueguês - Niccolò Machiavelli Norueguês
Discourses On The First Decade Of Titus Livius : Tradução e Letra em Dinamarquês - Niccolò Machiavelli Dinamarquês
Discourses On The First Decade Of Titus Livius : Tradução e Letra em Hindi - Niccolò Machiavelli Hindi
Discourses On The First Decade Of Titus Livius : Tradução e Letra em Polonês - Niccolò Machiavelli Polonês
Abaixo, você encontrará letras , videoclipes e traduções de Discourses On The First Decade Of Titus Livius - Niccolò Machiavelli em vários idiomas. O vídeo da música com a faixa de áudio da música será iniciado automaticamente no canto inferior direito. Para melhorar a tradução, você pode seguir este link ou pressionar o botão azul na parte inferior.

Discourses On The First Decade Of Titus Livius
Letra de Niccolò Machiavelli

Of the Religion of the Romans.

Though Rome had Romulus for her first founder, and as a daughter owed him her being and nurture, nevertheless, when the institutions of Romulus were seen by Heaven to be insufficient for so great a State, the Roman senate were moved to choose Numa Pompilius as his successor, that he might look to all matters which Romulus had neglected. He finding the people fierce and turbulent, and desiring with the help of the peaceful arts to bring them to order and obedience, called in the aid of religion as essential to the maintenance of civil society, and gave it such a form, that for many ages God was nowhere so much feared as in that republic. The effect of this was to render easy any enterprise in which the senate or great men of Rome thought fit to engage. And whosoever pays heed to an infinity of actions performed, sometimes by the Roman people collectively, often by single citizens, will see, that esteeming the power of God beyond that of man, they dreaded far more to violate their oath than to transgress the laws; as is clearly shown by the examples of Scipio and of Manlius Torquatus. For after the defeat of the Romans by Hannibal at Cannæ, many citizens meeting together, resolved, in their terror and dismay, to abandon Italy and seek refuge in Sicily. But Scipio, getting word of this, went among them, and menacing them with his naked sword, made them swear never to abandon their country. Again, when Lucius Manlius was accused by the tribune Marcus Pomponius, before the day fixed for trial, Titus Manlius, afterwards named Torquatus, son to Lucius, went to seek this Marcus, and threatening him with death if he did not withdraw the charge against his father, compelled him to swear compliance; and he, through fear, having sworn, kept his oath. In the first of these two instances, therefore, citizens whom love of their country and its laws could not have retained in Italy, were kept there by the oath forced upon them; and in the second, the tribune Marcus, to keep his oath, laid aside the hatred he bore the father, and overlooked the injury done him by the son, and his own dishonour. And this from no other cause than the religion which Numa had impressed upon this city.

And it will be plain to any one who carefully studies Roman History, how much religion helped in disciplining the army, in uniting the people, in keeping good men good, and putting bad men to shame; so that had it to be decided to which prince, Romulus or Numa, Rome owed the greater debt, I think the balance must turn in favour of Numa; for when religion is once established you may readily bring in arms; but where you have arms without religion it is not easy afterwards to bring in religion. We see, too, that while Romulus in order to create a senate, and to establish his other ordinances civil and military, needed no support from Divine authority, this was very necessary to Numa, who feigned to have intercourse with a Nymph by whose advice he was guided in counselling the people. And this, because desiring to introduce in Rome new and untried institutions, he feared that his own authority might not effect his end. Nor, indeed, has any attempt ever been made to introduce unusual laws among a people, without resorting to Divine authority, since without such sanction they never would have been accepted. For the wise recognize many things to be good which do not bear such reasons on the face of them as command their acceptance by others; wherefore, wise men who would obviate these difficulties, have recourse to Divine aid. Thus did Lycurgus, thus Solon, and thus have done many besides who have had the same end in view.

The Romans, accordingly, admiring the prudence and virtues of Numa, assented to all the measures which he recommended. This, however, is to be said, that the circumstance of these times being deeply tinctured with religious feeling, and of the men with whom he had to deal being rude and ignorant, gave Numa better facility to carry out his plans, as enabling him to mould his subjects readily to any new impression. And, doubtless, he who should seek at the present day to form a new commonwealth, would find the task easier among a race of simple mountaineers, than among the dwellers in cities where society is corrupt; as the sculptor can more easily carve a fair statue from a rough block, than from the block which has been badly shaped out by another. But taking all this into account, I maintain that the religion introduced by Numa was one of the chief causes of the prosperity of Rome, since it gave rise to good ordinances, which in turn brought with them good fortune, and with good fortune, happy issues to whatsoever was undertaken.

And as the observance of the ordinances of religion is the cause of the greatness of a State, so their neglect is the occasion of its decline; since a kingdom without the fear of God must either fall to pieces, or must be maintained by the fear of some prince who supplies that influence not supplied by religion. But since the lives of princes are short, the life of this prince, also, and with it his influence, must soon come to an end; whence it happens that a kingdom which rests wholly on the qualities of its prince, lasts for a brief time only; because these qualities, terminating with his life, are rarely renewed in his successor. For as Dante wisely says:—

'Seldom through the boughs doth human worth renew itself; for such the will of Him who gives it, that to Him we may ascribe it.'

It follows, therefore, that the safety of a commonwealth or kingdom lies, not in its having a ruler who governs it prudently while he lives, but in having one who so orders things, that when he dies, the State may still maintain itself. And though it be easier to impose new institutions or a new faith on rude and simple men, it is not therefore impossible to persuade their adoption by men who are civilized, and who do not think themselves rude. The people of Florence do not esteem themselves rude or ignorant, and yet were persuaded by the Friar Girolamo Savonarola that he spoke with God. Whether in this he said truth or no, I take not on me to pronounce, since of so great a man we must speak with reverence; but this I do say, that very many believed him without having witnessed anything extraordinary to warrant their belief; his life, his doctrines, the matter whereof he treated, being sufficient to enlist their faith.

Let no man, therefore, lose heart from thinking that he cannot do what others have done before him; for, as I said in my Preface, men are born, and live, and die, always in accordance with the same rules.


Footnote 1:

L'umana probitate: e questo vuole
Quei che la dà, perchè da lui si chiami.
Purg. vii. 121-123.]

Discourses On The First Decade Of Titus Livius
Tradução de Niccolò Machiavelli em Portugues

Da Religião dos Romanos.

Embora Roma tivesse Rômulo como seu primeiro fundador, e como filha lhe devia sua existência e criação, no entanto, quando as instituições de Rômulo foram vistas pelo Céu como insuficientes para um estado tão grande que o senado romano foi levado a escolher Numa Pompilius como seu sucessor, para que pudesse cuidar de todos os assuntos que Rômulo havia negligenciado. Ele achando o povo feroz e turbulento e desejando com a ajuda das artes pacíficas levá-los à ordem e obediência, chamou o auxílio da religião como essencial para a manutenção da sociedade civil, e deu-lhe uma forma que para muitos séculos Deus não era tão temido como naquela república. O efeito disso foi tornar fácil qualquer empreendimento em que o Senado ou grandes homens de Roma considerassem conveniente se envolver. E quem quer que preste atenção a uma infinidade de ações realizadas, às vezes pelo povo romano coletivamente, muitas vezes por cidadãos solteiros, verá que, estimando o poder de Deus além do homem, temiam muito mais violar seu juramento do que transgredir as leis ; como é claramente mostrado pelos exemplos de Cipião e de Manlius Torquatus. Depois da derrota dos romanos por Aníbal em Cannæ, muitos cidadãos reunidos resolveram, em seu terror e consternação, abandonar a Itália e buscar refúgio na Sicília. Mas Cipião, sabendo disso, aproximou-se deles e, ameaçando-os com sua espada nua, fez com que jurassem jamais abandonar seu país. Mais uma vez, quando Lúcio Mânlio foi acusado pelo tribuno Marco Pomônio, antes do dia fixado para o julgamento, Tito Mânlio, posteriormente denominado Torquato, filho de Lúcio, foi procurar esse Marco, e ameaçou-o de morte se ele não retirasse a acusação contra seu pai, obrigou-o a jurar obediência; e ele, por medo, tendo jurado, cumpriu seu juramento. No primeiro desses dois casos, portanto, os cidadãos que o amor de seu país e suas leis não poderiam ter retido na Itália, foram mantidos lá pelo juramento que lhes foi imposto; e, no segundo, o tribuno Marco, para cumprir seu juramento, deixou de lado o ódio que nutria pelo pai e negligenciou o dano feito a ele pelo filho e sua própria desonra. E isso por nenhuma outra causa senão a religião que Numa imprimiu nesta cidade.

E ficará claro para qualquer um que estude cuidadosamente a História Romana, o quanto a religião ajudou a disciplinar o exército, a unir o povo, em manter bons os homens bons e envergonhar os homens maus; para que tivesse que ser decidido com qual príncipe, Rômulo ou Numa, Roma devia a maior dívida, acho que a balança deve virar a favor de Numa; pois quando a religião for estabelecida, você pode prontamente trazer as armas; mas onde você tem armas sem religião, não é fácil depois trazer a religião. Vemos, também, que enquanto Rômulo, a fim de criar um senado e estabelecer suas outras ordenanças civis e militares, não precisava do apoio da autoridade divina, isso era muito necessário para Numa, que fingia ter relações sexuais com uma ninfa por cujo conselho ele foi guiado no aconselhamento do povo. E isso, porque desejando introduzir em Roma instituições novas e não experimentadas, ele temia que sua própria autoridade pudesse não efetuar seu fim. Nem, de fato, qualquer tentativa jamais foi feita para introduzir leis incomuns entre um povo, sem recorrer à autoridade divina, uma vez que sem tal sanção eles nunca teriam sido aceitos. Pois os sábios reconhecem como boas muitas coisas que não apresentam tais razões como o comando de sua aceitação por outros; portanto, homens sábios que querem evitar essas dificuldades, recorram à ajuda divina. Assim fez Licurgo, assim Sólon, e assim fez muitos outros que tinham o mesmo fim em vista.

Os romanos, portanto, admirando a prudência e as virtudes de Numa, consentiram com todas as medidas que ele recomendado. Deve-se dizer, porém, que a circunstância de esses tempos serem profundamente tingidos de sentimento religioso, e de os homens com quem teve que lidar serem rudes e ignorantes, deu a Numa melhor facilidade para levar a cabo seus planos, pois o capacitou para moldar seus assuntos prontamente a qualquer nova impressão. E, sem dúvida, aquele que buscar atualmente formar uma nova comunidade, achará a tarefa mais fácil entre uma raça de simples montanhistas do que entre os habitantes de cidades onde a sociedade é corrupta; pois o escultor pode mais facilmente esculpir uma bela estátua de um bloco áspero do que de um bloco mal modelado por outro. Mas, levando tudo isso em consideração, defendo que a religião introduzida por Numa foi uma das principais causas da prosperidade de Roma, pois deu origem a boas ordenanças, que por sua vez trouxeram boa fortuna, e com boa fortuna, feliz questões para tudo o que foi empreendido.

E como a observância das ordenanças da religião é a causa da grandeza de um Estado, então sua negligência é a ocasião de seu declínio; uma vez que um reino sem o temor de Deus deve cair em pedaços ou deve ser mantido pela fea

Melhorar esta tradução

Devido à falta de tempo e de pessoas, muitas traduções são feitas com o tradutor automático.
Sabemos que não é o melhor, mas é o suficiente para deixar claro para aqueles que nos visitam.
Com a sua ajuda e a dos outros visitantes, podemos fazer deste site uma referência para as traduções de músicas.
Você quer dar sua contribuição para a música Discourses On The First Decade Of Titus Livius Estamos felizes!

Niccolò Machiavelli

Discourses On The First Decade Of Titus Livius : Tradução e Letra - Niccolò Machiavelli

Discourses On The First Decade Of Titus Livius

Vos apresentamos o texto e a tradução de Discourses On The First Decade Of Titus Livius , uma nova música criada por Niccolò Machiavelli extraída do álbum 'Discourses on the First Decade of Titus Livius (English version)'

O álbum consiste em 141 músicas. Vocês podem clicar nele para ver os respectivos textos e as traduções:

Aqui está uma pequena lista das músicas que poderia decidir cantar que incluirá o álbum do qual ele desenhou cada música:

Ultimas Traduções e Letras Inseridas Niccolò Machiavelli

Ultimas Traduções e Letras Inseridas

Traduções mais vistas esta semana

Até agora você melhorou
225
traduções de músicas
Obrigado!